A

Apresentação

"O xamã, não se autoproclama. Ele é chamado para suas tarefas espirituais, passa por treinamentos, então é reconhecido pelas pessoas de sua comunidade."

3 de maio de 2012

SAUDAÇÕES ESPIRITUAIS



Você veio até aqui porque o seu coração lhe disse que havia algo bom...
Algo da Luz.
E nós lhe dizemos, de alma para alma, que esse algo bom sempre esteve em seu coração... E sempre estará!
É a sua essência.
A Luz que está aqui é a mesma que vem guiando-o ao longo de eons e eons de tempo. É a Luz Primeva desdobrada em miríades de seres...
É a mesma Luz do seu coração.
Você veio aqui para fundir a sua Luz com a nossa, na maravilha da comunhão de almas. Porque as clarinadas conscienciais surgem da união de nossos propósitos luminosos.
A assistência espiritual surge da união de nossos sentimentos permeados pelo Bem. Portanto, você é nosso irmão de senda!
E, mesmo à distância, e em planos diferentes, estamos juntos, porque é a mesma Luz que nos guia na jornada.
O Todo* é nosso Comandante.
Você veio até aqui com boa vontade e firmeza - e isso é muito bom... Porque comungar com a Luz dignifica o coração.
Você está aqui pela ressonância espiritual correta... Porque você teve a coragem de assumir a Luz.
E nós reconhecemos isso. E o saudamos como irmão de senda!
Nós sabemos de suas dificuldades - mas também sabemos do seu valor. E, por isso, aqui estamos.
Você está aqui impulsionado por algo que transcende o seu próprio entendimento... Algo que pulsa no cerne do seu Ser - uma essência sutil, maravilhosa e corajosa.
E nós estamos aqui pela mesma Graça Espiritual.
A Luz nos uniu, de alma para alma.
Que bom que você veio, com coragem e caráter.
Lembre-se: você é uma centelha do Amor Primevo.
E nós o saudamos como irmão de senda!
A Luz é a nossa fiadora.
E o Todo nos abraça.
União. Amor. Discernimento.
E vamos fazer o Bem, sem olhar a quem!

Wagner Borges


***********


"É melhor atirar-se à luta em busca de dias melhores, mesmo correndo o risco de perder tudo, do que permanecer estático, como os pobres de espírito, que não lutam, mas também não vencem, que não conhecem a dor da derrota, nem a glória de ressurgir dos escombros. Esses pobres de espírito, ao final de sua jornada na Terra não agradecem a Deus por terem vivido, mas desculpam-se perante Ele, por terem apenas passado pela vida".