A

Apresentação

"O xamã, não se autoproclama. Ele é chamado para suas tarefas espirituais, passa por treinamentos, então é reconhecido pelas pessoas de sua comunidade."

1 de julho de 2012

O guerreiro é maior que a guerra


Que os guerreiros busquem estar em conexão com a sua unidade. Que os guerreiros aprendam a tomar conta do seu próprio caminho e que os guerreiros busquem o Grande Espírito na oração, e encontrem a sua verdade dentro do seu caminho mas, acima de tudo, que encontrem aquilo que buscam. Tenham certeza de que a corrente sabe aquilo que buscam aqui na Casa de Luz.


Quando nós, da tribo, falamos para vocês, guerreiros, da sua busca, da conexão com o Grande Espírito, primeiro façam a busca da sua verdade, a busca da transformação.
Buscando, na parte material, o que desejam, o que sonham, o que pretendem, que é de direito de cada um. Mas aquele guerreiro que busca primeiro o espiritual, está progredindo, para fazer com que o seu caminho se transforme lua a lua, dia a dia. No seu encontro com o Grande Espírito, sabem que usaram as armas que o Grande Espírito deu aos guerreiros, o seu arco e a sua flecha.



Muitos caminham fazendo diferença para si mesmos, e para o seu próximo. E outros encontram dentro da sua busca, da sua evolução, caminham no caminho sagrado escolhido por vocês. A energia está ao seu lado, a energia que precisam para sua guerra está a seu lado e conseguem fazer a visão, outros não conseguem. Será que naquele momento do seu caminho, não olharam , será que naquele momento onde o guerreiro parou, e ficou com medo, e fez retorno, voltaram, porque neste momento, cacique fala a vocês guerreiros, que a fé de cada guerreiro é que vai fazer a diferença, é o acreditar na esperança dessa luz que caminha à sua frente.


Não é só no momento do encontro, é no momento do seu dia a dia, onde o seu pior inimigo é a mente dos guerreiros , é a energia que os guerreiros trazem para o seu caminho, para dentro de si.  Quando guerreiro fala em mudar o caminho, não é mudar o que busca na alma pois o que busca na alma é sagrado. O Grande Espírito espera vocês, amanhã, cada um de vocês, guerreiros, nesta nova lua. É quando nós percebemos que guerreiro está fazendo a sua luta em tirar fantasma da mente, em conversar com a pedra, que não vai levar a lugar nenhum.


Vocês, guerreiros, são livres, tem sua própria tribo, seu próprio caminho. A preocupação dos guerreiros é também nossa, mas não adianta só nós irmos para a guerra. O guerreiro também precisa ter sua luta, perceber o momento de fazer guerra, perceber o momento de fazer energia, e perceber que a energia não está acompanhando o seu espírito e sua alma que é sagrada.


Como um guerreiro quer melhora se não coloca no caminho aquilo que aprende?


Não é só aqui que os guerreiros vão evoluir, lua a lua, dia a dia. Quando os guerreiros são agradecidos ao Grande Espírito, quando os guerreiros encontram aquilo que buscam, os guerreiros tem que olhar para dentro de si e perceberem que estão fortes, para a luta certa, para fazer vitória na sua busca material.


Como querem fazer encontro se não conseguem fazer a sua luta interna?


Não conseguem fazer a sua luta porque a sua fé parece ficar longe. Cacique fala que quando a fé e a esperança, ficam longe é porque o coração dos guerreiros se distanciou de vocês. Vocês precisam trazer para perto o coração, a bondade. Muitas luas atrás, Cacique falou que o que realmente é importante no caminho dos guerreiros é o que é verdadeiro no coração, na alma dos guerreiros. A mente transforma, mas a alma não, pois é sagrada.


Se respeitarem o seu caminho, entendendo como sendo o caminho sagrado, a energia boa vem, as entidades vem, transformando este caminho em um caminho melhor, transformando doença em cura, da mesma forma quando os xamãs operam e os guerreiros levam remédio para casa. Para uns levam água, para outros, remédio. Transformam água em remédio quando fazem a oração do encontro.


Um guerreiro é mais forte do que a sua doença porque a sua luta por aquilo que buscam é forte. Quando não é verdadeiro, os guerreiros fazem caminho de volta. Cacique falou a vocês, irmãos, que os guerreiros podem fazer este caminho mas não podem esquecer que, a qualquer momento, podem fazer o caminho de volta e pode ser que na volta estejam descalços.


Por que eu tenho que fazer o caminho de volta?


Os guerreiros não precisam fazer o caminho de volta mas Cacique fala a vocês, guerreiros, que se caminharem no entendimento, fazendo o caminho ou não fazendo, a resposta estará nas mãos de cada um. Se fizerem da forma certa, estarão caminhando com alegria, felizes, com vontade de guerra, com vontade de buscar aquilo que colocam na mente. A mente trai os guerreiros, a sua verdade vem da alma. Se os guerreiros não caminham felizes, parecendo faltar sempre uma energia no caminho, conversem com o Grande Espirito que vão encontrar a resposta, ou ela virá em sonho.


Os guerreiros podem e conseguem mas muitos lutam na guerra errada, estão lutando pela mentira, pela vaidade, para fazer ilusão, para alimentar a guerra errada. De que forma os guerreiros querem fazer a sua busca? Cacique fala a vocês, irmãos, que o Grande Espirito coloca no caminho aquilo que precisa para os guerreiros lutarem, buscarem o caminho. Procurem olhar dentro de si e perceber se a sua guerra está certa. Não é mudar o caminho mas mudar a palavra. Nós, por muitas luas, tínhamos que fazer guerra. Mas para isto tinha o motivo. Vocês precisam ter o motivo certo.


Não coloquem energia onde a sua guerra não existe.


A corrente fala que vocês busquem sempre a verdade, que façam a sua guerra na busca certa. Quantas vezes a guerra não é sua, guerreiro, não é sua, guerreira? Criaram a guerra para você, guerreiro, para você, guerreira, para os irmãos encontrarem este caminho de pedra. Cacique lembra dos casacos azuis fazendo tiro para cima para fazer barulho. Esta era a guerra deles: fazer barulho para cima. Cacique espera que, da mesma forma, os guerreiros, sejam determinados a fazerem a sua guerra mas, realmente, lutarem contra a sua energia e os seus fantasmas. Cacique espera que os guerreiros lutem para que, no dia a dia, o guerreiro melhore, de forma que ao chegar ao lado do Grande Espírito, não vá sentir vergonha de si mesmo. Um guerreiro forte, um guerreiro com alegria de estar caminhando aqui na terra, de estar vivendo, um guerreiro que busca a resposta, e como Cacique fala – e Cacique sempre fala isto aos guerreiros e vai falar de novo – que nem sempre resposta vem seguida de explicação aos guerreiros, um guerreiro que busca o seu caminho sagrado em alegria. Cacique vê muitos lutando para que a sua família, dentro da sua tenda, que é onde começa a caridade, para quem não sabe, se tornem cada vez mais felizes.


Guerreiros, aqui na Casa de Luz, a sua força, a sua fé, a sua coragem, a sua determinação fazem o guerreiro perceber que o seu caminho é livre, que o seu caminho é tranqüilo. Mas as suas guerras, criadas pela sua mente, o responsável são vocês mesmos. A sua guerra onde existe um caminho de orientação, onde existe um caminho de resposta , não de explicação mas de resposta, onde os guerreiros realmente abertos , com a energia aberta, com o seu círculo sagrado fechado, com o seu escudo, esta sua energia, o seu campo à sua volta aberto, aproveitam aquilo que é dado, da forma certa Como nós costumamos falar aqui, na Casa de Luz, cada guerreiro dá aquilo que tem de melhor, cada guerreiro busca da mesma forma aquilo que tem de melhor.


Cacique fala que sempre há o momento.


Cacique sabe , toda a corrente sabe, que é natural os guerreiros hoje encontrarem alegria, amanhã lágrimas; outra lua, mais pensativo, como vocês falam. Isto quer dizer que não são todas luas iguais, isto quer dizer que transforma, hoje o Grande Espírito deu oportunidade à guerreira, ao guerreiro, de fazer riso. Amanhã, na nova lua, o Grande Espírito dá oportunidade do guerreiro fazer encontro com o seu silêncio e buscar a resposta. Na outra lua, o Grande Espírito deu a oportunidade dos guerreiros fazerem o seu encontro.


O Grande Espírito espera que os guerreiros, em todas estas situações, se recuperem. Que os guerreiros,  ao voltarem deste presente do Grande Espírito, do seu encontro, voltem fortes, voltem com força para a sua guerra, se é para a saúde, se é para o tratamento, se é para o seu trabalho, se é para o seu caminho. Mas será que estão  lutando até a sua força final para transformarem aquilo que está ao seu alcance? Será que estão fazendo o muito, será que o muito fazem os guerreiros voltarem? Cacique sabe que alguns guerreiros lutaram até o final, e quando Cacique fala “final” é porque conseguiram aquilo que buscaram. E encontraram a vitória, encontraram aquilo que queriam, porque lutaram, porque, sim, são fortes, porque, sim, tem guerreiros, um guerreiro dentro do guerreiro que é forte. Mas uns preferem fazer este caminho do encontro e quando terminam, voltam, param no meio do caminho, que é o caminho do sonho, o caminho da fantasia da mente, o caminho perigoso aos guerreiros.


Guerreiros, querem a transformação, a luta, a mudança? Lutem!


Querem fazer a guerra, façam! Porque o guerreiro é maior que a guerra. Se os guerreiros colocarem na mente que a guerra é maior do que vocês, que os guerreiros fiquem: podem ter certeza que se  forem, não voltam. Podem ter certeza de que são mais fortes. São mais fortes do que tiro para cima. Os guerreiros são mais fortes porque conseguiram encontrar o seu equilíbrio, sabem o momento certo de sua luta, sabem o respeito certo pelo seu próximo, sabem entender um caminho que está à sua frente, sabem que tem força e podem ajudar aquele guerreiro, aquela guerreira que precisam.


Cacique fala que os guerreiros de nossa tribo faziam caminho até o Grande Espírito, cada guerreiro da sua forma, ou com as suas pinturas  ou fazendo o caminho na oração, fazendo o caminho na fogueira, no fogo sagrado. Mas alguns guerreiros estavam com esta energia,esta força, e naquele momento, antes da guerra, elevavam o pensamento à sua força maior. Naquele momento, aquele pássaro que vinha pela sua energia, naquele momento aquele pássaro pelo Grande Espírito, naquele momento, aquele pássaro da garra forte, era o Grande Espírito, era o seu Deus. Todos tem o seu Deus, a sua árvore é o seu Deus, por onde caminham é a sua energia maior, seu Deus é o seu Deus, não importa, é aquilo que traz força.


E estes guerreiros, antes da guerra, da luta, conversavam com a terra, conversaram com o fogo, e aquele momento, com esta energia, todos os fantasmas iam embora, todo o caminho ficava limpo, aí, sim, montava sem olhar para trás porque a guerra estava na frente. Montava e faziam o caminho da guerra. Mas Cacique fala a vocês, guerreiros, não era a lua certa. A guerra é quando vocês estão prontos, como cacique diz, cacique não perde guerreiro porque não deixa guerreiro que não está preparadoir para a guerra.


Muitos lutam com o seu caminho maior, muitos lutam com si mesmos.


Se tratamento de saúde que está fazendo é pequeno, perto de você, guerreiro, perto de você, guerreira, porque é mais forte. O Grande Espírito criou os guerreiros aqui na Terra, pode ter certeza, cada guerreiro da sua forma, nós sabemos, cada guerreiros com sua busca  e também nos sabemos, mas é guerreiro para fazer guerra, são guerreiros para lutarem e cada guerreiro com sua guerra – assim como tinha guerreiros que iam para a guerra e outros guerreiros ficavam porque cuidavam das guerreiras, dos pequenos. Se os guerreiros, realmente, querem encontrar vitórias nas suas guerras, Cacique falava aos guerreiros que se é para fazer guerra, é para ir para guerra, é para ir para a guerra, não existe volta, se vai para a guerra, volte com vitória.


Cacique transforma estas palavras no dia a dia dos guerreiros porque nem sempre aquilo do motivo que encontram, da forma que desejam, por mais que lutem, por mais que façam a guerra, pode ser que os guerreiros não vão estar encontrando o motivo por que lutaram tanto. Mas Cacique fala que aqueles guerreiros que estão equilibrados e com a energia em uma só unidade, como disse o guerreiro Alce Negro, luas para a frente vão entender que se olharem para atrás naquele momento onde reclamavam que lutavam e lutaram mas a guerra não terminou da forma que queriam, Cacique fala aos guerreiros, a fogueira acesa está na mão de cada guerreiro.


O Grande Espírito dá a oportunidade de fazerem de novo a dança.


Amanhã, o Grande Espírito dá aos guerreiros a oportunidade dos irmãos fazerem a fogueira, fazerem de novo a dança, fazerem os guerreiros sentirem de novo aquela vontade de fazer a guerra, novamente. Mas a guerra, Cacique fala, é a guerra da resposta, guerra onde os guerreiros sentem o entendimento, olham para trás e percebem que foi melhor.


Muitos se perguntam se isso não é aceitar. Cacique fala, não é aceitar, isto é sabedoria. Se nós atacamos os guerreiros dando tiros para cima quando eles querem, nós não saberemos o que encontrar, é o que eles querem.


Guerra da fogueira é quando toda a nação está pronta, quando a tribo está pronta, quando a sua família está pronta, o guerreiro está pronto, a guerreira está pronta, nesta transformação de luz e não desistir. O desistir para muitos e guerreiro Lobato: explica um caminho pequeno entre o desistir e o lutar errado,teimosia em lutar com si mesmo. Mais uma vez Cacique fala, é um lutar da forma errada.


Como saber se a guerra é certa?


Muitos perguntam como saber se a guerra é certa. Os guerreiros estão sendo atacados por si mesmos, energia ataca guerreiro, a outra energia ataca guerreiro, a sua mente ataca. E por que ataca? Porque vocês dão oportunidade para fazer o ataque, porque não estão preparados para fazer a guerra, é fazer a guerra e perder guerra. Se faz a preparação, se faz a guerra certa, Cacique fala: vai fazer  guerra e só volta com vitória. Cacique transforma a nossa guerra, como os guerreiros  já sabem, em vitória. Para nós, realmente aquele forte não existia mais.


Para vocês, guerreiros, o voltar da guerra não é luas depois continuar fazendo o mesmo erro, continuar fazendo a mesma teimosia, na língua de vocês, o sentir a energia  e o caminho. O eu achei não existe. O que existe é a responsabilidade com você mesmo, existe o compromisso com você mesmo, existe um compromisso com uma nação, com uma tribo, com os guerreiros que ficaram.


Como fazer uma guerra se a guerra é perdida, como muitos fizeram na nossa tribo, e muitos de vocês sabem, que se perderam no caminho porque caminharam neste caminho, como diz o guerreiro Lobato, paralelo, errado e não conseguiram voltar. Quando voltaram, acham que voltaram. Cacique encontrou alguns guerreiros que voltaram e não eram mais aqueles guerreiros de guerra que lutavam, Cacique encontrava guerreiros mortos,  mas caminhando, porque sua mente já não existia, sua alma foi vendida, foi vendida a sua alma e a sua mente, quem comprou, Cacique fala, foi a sua vaidade, o seu ego, a sua teimosia, mas querem fazer e fazem a volta. Sim, podem errar, quando se envolve um guerreiro para fazer guerra sozinho, se fez luta com vitória, está certo. Se já ficou por lá mesmo, escolheu antes.


Quando envolve uma tribo, uma nação, quando envolve família de vocês, é preciso ter respeito. Quando se envolve mais energia, é preciso saber, saber o caminho que esta querendo fazer. Querem mostrar, como muitos quiseram mostrar, na língua de vocês, o quê e para quem? Quiseram mostrar que são fortes. A força não está apenas na guerra pela guerra. A força transformada na sabedoria, a sabedoria, Cacique fala, é o momento certo. Não é o momento certo para ir porque não volta. Voltaram caminhando sozinhos, voltaram com frio, sem alimento e muitos ficaram no caminho. Quem foi mais forte? A mente errada foi mais forte. Vocês, guerreiros, aqui na Casa de Luz, busquem a si mesmos, busquem toda a sua força, a sua energia, busquem um caminho realmente respeitando a sua tribo, respeitando a sua nação, a sua família, a si mesmo, e transformando , fazendo a sua guerra, mas a guerra da verdade. Mesmo que a sua verdade, guerreiros e guerreiras, permaneça para sempre dentro do seu silêncio, porque também este silêncio é sagrado.