A

Apresentação

"O xamã, não se autoproclama. Ele é chamado para suas tarefas espirituais, passa por treinamentos, então é reconhecido pelas pessoas de sua comunidade."
Clique no Play e curta

Clique no Play e curta

1 de agosto de 2012

Animal de Poder - Como descobri-lo


Animal de Poder

"Se você falar com os animais, eles irão falar com você.
E assim, vocês conhecerão um ao outro.
Se você não falar com eles, não os conhecerá...
...E aquilo que você não conhece, você teme.
... E aquilo que se teme, se destrói.”
Chefe Dan George

Os animais são vistos como arquétipos, símbolos de energias que existem e que podemos encontrar e manifestar dentro de nós.


A sabedoria existente em um animal específico, não está necessariamente ligada com sua aparência ou com os pré-conceitos e crenças criados a respeito do mesmo pelo homem.

Cada pessoa tem seu “animal de poder” ou “totem”, que corresponde às características que aquela pessoa necessita desenvolver, aprender e manifestar em si em determinado momento de sua vida. O animal de poder é requisitado em todos os trabalhos xamânicos.

O animal de poder é que escolhe a pessoa e não o contrário. É importante não deixar que o ego interfira no seu processo de encontro com o animal de poder. Muitas vezes a pessoa deseja que seu animal de poder seja o mais bonito ou mais forte em sua opinião, e esses desejos do ego acabam atrapalhando a apresentação do animal que ela realmente necessita.

É importante lembrar que nenhum animal é melhor ou pior que outro.

Uma vez que se descobre o animal de poder, devemos estabelecer um relacionamento com o mesmo. Deve-se invocá-lo para realizar suas tarefas, visualiza-lo freqüentemente perto e dentro de você, e buscar aprender a desenvolver e manifestar suas características.

* Lembrar que ao invocar o animal de poder, não invocamos algo que vem de fora, e sim aquele animal dentro de nós.

Apesar de todos termos um totem específico, outros animais podem se apresentar para determinada pessoa, dependendo do trabalho que a mesma está realizando.

É muito importante estarmos atentos aos sinais e mensagens que o arquétipo do animal está nos passando. Eles podem aparecer em sonhos, jornadas, no seu dia a dia, na mente, etc...

Também é importante estarmos atentos para a forma que a animal se mostra: tamanho, estado de espírito, cor, saúde, olhar , movimento, etc... Para aprofundarmos nas características de um animal e compreendermos a completude do que ele tem para nos dizer, é interessante estudarmos o anima: seu habitat, hábitos, o que come, medos, presas, sons que manifesta, etc...

MEDITAÇÃO XAMÂNICA PARA ENCONTRAR SEU ANIMAL DE PODER


Dedique uns minutos a preparar o local, assegure-se que não será interrompido,  acenda velas e incenso se assim desejar, coloque uma musica relaxante e calma, com sons da natureza ou a batida do tambor.

1. Sente-se ou deite-se, confortável, relaxado...feche os olhos...

2. Respire...inspire profundamente pelo nariz...retenha por breves segundos e então expire lentamente  pela boca...inspire cada vez mais profundamente, veja o ar entrar no seu ser como uma energia pura, branca e dourada, uma luz que inunda a sua corrente sanguínea e toca todas as células, todos os seus órgãos...sinta cada célula libertar-se das impurezas quando retém a respiração e expire-as lentamente para fora de si...a cada expiração sinta-se mais leve, mais limpo, mais puro...(repetir as vezes que forem necessárias até estar completamente relaxado e entregue)

3. Olhe à sua volta...no chão está um alçapão de madeira, com uma argola de ferro, puxe-a e abra-o...por baixo estende-se uma escadaria até perder de vista...comece a descer, degrau a degrau...o ar está mais pesado...as paredes são rugosas e negras, húmidas...a luz da entrada está cada vez mais fraca...

4. ...continue a descer...os olhos habituam-se á escuridão...as paredes são agora repletas de cristais... toque-os... sinta a energia que eles emanam...desça...cada vez mais...

5. ...por entre os cristais há raízes de árvores que se entrelaçam...o cheiro a terra molhada é forte agora... algures água corre e pinga...chega finalmente ao fim da escadaria...está numa caverna...os seus pés descalços sentem o calor do chão de turfa...mais á frente há luz...e o som de pássaros a cantar...

6. Encaminhe-se para a abertura da gruta, afaste as ramagens que a encobrem e inspire o aroma de uma manhã de Primavera...proteja os olhos com o braço...a luz do Sol é a mais cristalina que alguma vez viu...borboletas voam ao seu redor...admire a sua dança de leveza...

7. ...há um pequeno prado pontilhado de flores de todas as cores... amarelas... roxas... vermelhas... cor de rosa...abelhas voam atarefadas recolhendo o pólen...oiça-as zumbir...pardais, melros, cotovias,  andorinhas...voam e cantam...brincam...repletos de vida...a temperatura é amena...funda-se com tudo o que vê...sinta-se parte deste lugar mágico...vibre na mesma sintonia...seja um com tudo o que o rodeia...

8. ...comece então a andar...sinta a erva fresca, a terra pulsante...atravesse o prado e siga o caminho estreito que se embrenha entre as árvores de um bosque...os raios de Sol são filtrados pelos ramos repletos de folhas e derramam-se como uma caricia sobre o caminho...as árvores são agora maiores...gigantes...os troncos cada vez mais grossos...antigos...árvores anciãs...Mães da vida...oiça o sussurro do vento nas suas folhas...toque os troncos...sinta a aspereza, as rugosidades, a vibração...

9. O caminho começa agora a alargar-se, dando lugar a uma clareira de erva alta que baila ao sabor da brisa...atravesse-a...há um regato que corre, de água fresca e pura, que serpenteia por entre seixos lisos de várias cores...virado para o regato e de costas para si está uma figura gigantesca...o cabelo branco cai-lhe pelas costas abaixo quase até aos pés, num amaranhado de galhos, folhas e terra...as vestes são compridas, uma túnica que já foi branca e que agora não tem cor...o odor que dele emana é acre mas em perfeita harmonia com a natureza que o rodeia...

10. A figura vira-se para o encarar. É um homem muito idoso...a cara está sulcada pelas mesmas rugas profundas que viu nos troncos das árvores anciãs...a barba também branca divide-se em 3 tranças que chegam aos joelhos...os olhos são escuros...sem fim...a sua voz soa como um trovão...

11. “O que queres de mim?” - Responda que quer conhecer o seu animal de poder do momento, para assim receber ajuda e o honrar também.

12. Há uma rocha enorme coberta de liquens e musgo do lado esquerdo, o Ancião Druida tem um bastão na sua mão direita...ele ergue o bastão e você acompanha o movimento com o olhar...O bastão cai sobre a Rocha...o som é ensurdecedor...o chão treme...tudo treme...um animal surge a correr entre a vegetação e para mesmo á sua frente olhando-o na alma...que animal é?

13. Este é o seu animal de poder do momento. Sente-se no chão e conecte-se com ele...oiça o que ele tem para lhe dizer...respire com ele...seja ele...vá onde ele o levar...veja através dos seus olhos...sinta o que ele sente...seja ele...deixe-se ir...

14. Regressado ao leito do riacho, agradeça ao seu animal de poder a honra que este lhe deu, agradeça ao Ancião com toda a humildade e amor do seu coração,  ele nada diz mas as suas palavras ressoam na sua alma “volte sempre que quiser, será sempre bem-vindo ao centro de si mesmo”

Olhe à sua volta e despeça-se da paisagem maravilhosa que o acolheu nesta viagem, respire profundamente, olhe para a sua esquerda...há uma árvore gigantesca, com o tronco mais largo que alguma vez viu, há uma fenda no tronco...aproxime-se... a fenda é uma abertura...entre...há uma escadaria em caracol que sobe até onde você não consegue ver...suba os degraus...todos...suba...suba...respire...suba...até ao topo...estique os braços e force levemente e sinta o alçapão a abrir-se, suba os últimos degraus...está de volta...respire...veja o seu corpo e regresse a ele novamente...com amor...lentamente...permita-se o tempo necessário de retornar.

Também pode fazer essa vivência...