A

Apresentação

"O xamã, não se autoproclama. Ele é chamado para suas tarefas espirituais, passa por treinamentos, então é reconhecido pelas pessoas de sua comunidade."

8 de junho de 2016

Tradições

O tambor é um catalisador de energias. Todo instrumento que emite som natural, ou seja, não eletrônico, é catalisador da energia refinada que está ao nosso dispor no universo para que possamos curar e sermos curados. Essa vibração penetra a matéria de nossos corpos, relaxa a musculatura, afrouxa as ligações entre as moléculas e propicia níveis mais profundos de concentração. O som do tambor afina nosso coração com o coração da Mãe Terra, desperta a energia individual e coletiva em ritos e cerimônias, sendo esta energia o despertar de nosso curador interno. O som do tambor é como o som do coração.
A batida está dentro de nós, no nosso coração, e trazer esta batida para fora no tambor é exteriorizar nossa emoção, cantar esse momento sagrado, tocar o sopro da alma, vibrando para fora do corpo, é a expressão da alquimia da vida. Os xamãs consideram o tambor como o "cavalo" que os leva em viagens a outros mundos. O ritmo das batidas altera nossa percepção e estado de consciência, permitindo-nos entrar em contato com os mundos visíveis e invisíveis para proporcionar cura, meditação, auto-conhecimento, empreender jornadas, nos harmonizarmos com a Terra e contatar os ancestrais, espíritos e animais guardiães. Encontrar nosso ritmo interno e afiná-lo ao da Mãe Terra é equilíbrio e cura. As mulheres podem sentir os toques do tambor em seus úteros, geradores de vida, tal qual a Terra. As ancestrais buscavam alinhar coração e útero ao som do tambor, entrando em sintonia com a Mãe Terra, e encontrando assim seu som primordial, bem como o seu som e ritmo interno. O tambor é coração, pulsa cheio de vida, de ritmos que se alteram. O coração, assim como o tambor, é o mapa de toda a jornada de cura. Escutar o toque do tambor é também escutar a batida de nosso coração, sendo assim, é o guia para que nunca nos percamos na busca do contato com outras realidades e energias. 


Importância

As batidas do tambor são as batidas do coração da Mãe Terra. Se crê que nós somos os tambores, o tambor é nossa cultura, ele unifica e reflete quem somos. Tambores aproximam as comunidades. 
Tambores são utilizados em diferentes ocasiões: casamentos, funerais etc. e em praticamente todas as reuniões dos povos nativos. Tambores são redondos para representar o ciclo da vida. 
Os tambores grandes, como os de pow wow, representam a Terra, e as pessoas que os tocam seus guardiães. É sábio consultar um ancião ou xamã sobre uma questão sobre tambores antes de tirar as próprias conclusões.  Compartilhar conhecimento sobre tambores é crucial.  Os tambores ensinam muita coisa. Os tambores existem em todas as partes do mundo, todas as culturas construíram seus tambores e praticamente todas os utilizam de alguma forma mística, ritual ou espiritual.


Espiritualidade

Tambores podem ser usados para conexão com os mundos espirituais. Tocar tambor é uma experiência espiritual. Algumas tradições usam tambores com pele de um lado só para atrair os espíritos e tambores de duas peles para ir até os espíritos. 
Tambores podem curar. Alguns curandeiros tocam tambor perto do corpo de uma pessoa para auxiliar na cura. Quando uma pessoa está com dor, seja emocional ou física, tocar tambor ajuda a pessoa a se centrar. O componente espiritual de um tambor é bem forte, e com freqüência é especial e específico a um indivíduo.


Respeito

O tambor tem poderes muito além de simplesmente fazer música, e entender alguns desses poderes é entender um pouco de como é ser um nativo.
Ninguém deve "bater" em um tambor e sim fazer o tambor falar com poder e convicção. Em inglês "beater" que seria "baqueta" é substituído por "drum stick", varinha do tambor. 
Ter um tambor é uma honra extrema e ele deve ser sempre tratado com o máximo de respeito. 
Preste atenção e verá, você vai tratar você mesmo, os outros e tudo o mais no mundo da mesma forma que trata seu tambor. Lembre-se o tambor representa o que você é e o que poderá se tornar.


Construindo tambores

Alguns tambores são usados somente para ocasiões especificas, por exemplo, tambores grandes de pow wow são usados somente em encontros, tambores de água em cerimônias de peyote etc...
Algumas tradições fazem um ritual para poder construir um tambor e trazê-lo à vida. Alguns rituais podem incluir tendas do suor, orações, jejum, bênçãos nos materiais, jornadas, etc... Verifique com um xamã o que é mais apropriado. 
Fazer tambor é um momento de conexão. 
Amarrar o tambor é trazer a energia do Pai Céu e Mãe Terra para nossa vida. 
O tambor não é feito de um pedaço de madeira ou um pedaço de couro, é feito de uma parte de uma árvore e uma parte de um animal, e tudo tem espírito e é vivo, assim o tambor também é vivo. 
Um poder específico de um tambor pode ser usado de maneiras diferentes. Um tambor para cura ao ser tocado para uma jornada faz com que as pessoas se curem enquanto meditam, um tambor de jornada tocado para cura faz com que a pessoa que se cura descubra mais sobre si mesma, etc.


Canções e Danças

Quando um tambor fala, todos devem honrar este momento.
Quando estiver aprendendo a cantar ou dançar, é importante se informar quem pode aprender um tipo de canção e dança. Existem canções e danças próprias para cerimônias e rituais, existem canções e danças somente para homens, somente para mulheres, somente para anciões, etc. 
Nunca se deve usar o tambor de outra pessoa sem pedir permissão. Quando um tambor não está em uso os nativos guardam ele. Não é usual pendurar o tambor na parede onde a energia pode se esvair. É considerado exibicionismo pendurar um tambor na parede. Isso não se aplica a não-nativos. Algumas canções e danças são de um povo específico e ninguém que não tenha a permissão pode usar. 
Algumas canções são executadas para um trabalho específico e nunca cantadas em outras ocasiões. Uma canção de cura é cantada em cerimônia de cura e em nenhuma outra ocasião; uma canção para encher o cachimbo, é cantada para encher o cachimbo, cantar em outra ocasião é incorreto. 
Algumas canções e danças com o passar do tempo se tornaram canções e danças populares. Algumas ganharam o mundo e são comuns em trabalhos com danças circulares sagradas e círculos de tambores. Um exemplo de música tradicional nativa norte-americana que se tornou popular é "Chanun" que se pode encontrar em CD. Em dúvida cheque com o ancião, xamã ou líder de cerimônia se a canção pode ser cantada fora daquela ocasião. Quando uma pessoa faz a passagem, em algumas comunidades não é permitido que as canções daquela pessoa sejam cantadas por um ano, a não ser que uma pessoa tenha sido designada para ser guardiã daquele conhecimento. Quando uma pessoa faz a passagem, em algumas comunidades nativas não é permitido tocar tambor enquanto o corpo não for enterrado, é considerado desrespeito para a família e para o clã cantar ou dançar. Novamente é melhor checar antes a tradição local.
Existe muito mais a se aprender com os tambores...